domingo, 11 de dezembro de 2011

Time to troll.






O mundo é um circo, a vida um espetáculo e ultimamente eu tenho sido o palhaço.




quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Hematita

Eu sou um paradoxo. Sempre fui.

Me diga, você sabe o que é ter a oportunidade de decidir? O exato momento em que tu é capaz? Sabe o que é estar beirando o abismo? Sabe o minúsculo fragmento de tempo que leva pra se tomar a decisão de dar um passo à frente nos trilhos do trem? 

Sabe o que é estar na frente da porta do nada? E sentir que não existe nada além dessa porta... e que na verdade não existe nem porta. Se a única pessoa que eu tenho sou eu, o que aconteceria se eu matasse a única pessoa que eu tenho? O que aconteceria se eu matasse a pessoa que me mataria? Pra onde ela iria? Eu continuo pisando na veia que mantém a mantém a minha vida fluindo. E então... por quanto tempo eu vou ficar recolhendo pedacinhos pra me manter de pé?

Pra um lugar pior, é o que dizem. E o que você define como pior?
Eu só quero fazer a merda parar. Qualquer coisa diferente disso.
Levar café na cama pro diabo com certeza é melhor do que isso.

E bem... Eu sou um balão prestes a explodir. Preciso de um lugar pra reviver. Preciso deixar de sentir. Nós temos um paradoxo aqui. Ou eu me mato de uma vez, ou vou acabar me matando. Preciso me matar antes que eu me mate. Pelo menos há um certo humor nisso. Cheguei ao ponto lamentável em que eu sou minha pior inimiga. Mas tudo bem... ainda consigo me ver no espelho, talvez eu ainda exista.

E essa sou eu... perdida em uma pilha de doces, repleta de açucar por dentro dizendo "eu sou vazia". Sendo agraciada com um milhão de convites... e dizendo "eu sou rejeitada". Uma legião de nada. Mas eu continuo caminhando. Mancando, sem direção, pois afinal, um par de pernas sem cérebro não faz muita coisa. E só estou torcendo pra que essas pernas cansadas e estúpidas tenham a sorte de me levar pra um lugar diferente.

And he tells me to sing. So I sing, and I sing
For my brother who keeps me sane.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Preto e Branco? Não, cinza.

Eu não sei se choro, ou se devo vomitar. Cansei de procurar maneiras de colocar isso pra fora, de me livrar. Nunca vai embora, as vezes brinca comigo, vai até a esquina, dá tchauzinho e volta correndo, mais intenso do que nunca. Sempre. Sem querer, eu me encontrei. E não consigo mais ir embora, nem me suportar. Esta sou eu de verdade.

Ninguém nunca vai entender o que se passa, quantas graças se perderam, quantos sentidos não fazem mais. Só quem sente o mesmo é capaz de entender. Essa linha reta, sem motivos, razões, sem futuro, sem vida. Apenas alguns pontinhos de alegria perdidos no mar, implorando "por favor, não". Ops.

Dinheiro, casa, roupas, doces, muitos doces, bichinhos, alguns poucos amigos e... uma vida vazia. Uma fucking vida vazia. Nada do que eu coloque aqui dentro preenche esse vazio. Nem todo o açúcar do mundo. Toda as coisas boas, somadas, não correspondem a 10% da intensidade das coisas ruins. Parece que por menores que sejam, elas sempre são mas importantes. Sempre preenchem mais.

Algumas pessoas merecem ser amadas, e não são. Outras merecem ser odiadas, merecem sofrer, e não passam por isso nem de longe. O mundo é feio, as leis são feias, e livre arbítrio é conto de fadas. E isso é evolução? Seu bando de hipócritas, olhem pra mim, e me respondam se isso é evolução. Isso se chama morte. Eu nunca regredi tanto, nunca estive em uma vibração tão ruim como essa em toda a minha vida. 

Mas obrigada, àqueles que conseguem ver algo bom nessa podridão.
Àqueles que conseguem enxergar em mim aquilo que eu não sou capaz. 


E agora... essa linha reta. Esse nada, nem ninguém.
You had her, now she's going away. Que baboseira.

Quando a vida te decepciona, qual é a única coisa que resta fazer? "Continue a nadar, continue a nadar, pra achar a solução, nadar, nadar." Eu vou nadar até quanto meu corpo aguentar. Se me afogar, ao menos me afoguei porque estava tentando nadar. But, don't worry, eu sei fazer isso muito bem.

...Glub.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Notas sobre o (blergh) amor

Sabe quando tu gosta de alguém e é capaz de morrer e matar por isso? Eu sou do tipo que enfrenta o mundo inteiro mesmo que seja impossível. Eu sinto falta de gente assim, sabe? E isso não é pedir muito, porque quando se "ama" (palavra nojenta), enfrentar o mundo não é nada. Lutar não é nada.

Alguém que mergulhe de cabeça... Intensidade. Porque eu prefiro sofrer, morrer, de verdade, de maneira intensa, do que viver uma meia felicidade.

Todo mundo que tem a Brenda, sempre a tem por INTEIRO.
Migalhas? Restos?
Não, obrigada.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

She speaks in the third person...

Ela não vive, apenas existe. Sobrevoa a própria vida na espera de que o tempo traga um lugar seguro para descer. A menina que veste preto e sorri durante o dia, almoça, conta histórias, tenta ser engraçada. Só ela conhece quem deita na cama à noite abraçada em si mesma, se afogando na própria realidade.

Ela sempre foi perserverante e nunca aceitou desistir de nada. Nunca abaixou a cabeça pra nada, sempre foi em busca daquilo que só ela era capaz de tornar possível. E agora ela está presa na própria melancolia, ela está presa naquilo que não pode aceitar.

Ela se sente sozinha. Ela precisa de alguém pra levantá-la quando estiver chorando no frio do banheiro. Ela precisa de alguém pra ligar o botão de reiniciar todos os dias. Aos pouquinhos, a parcela, um pouco de sim, um pouco de não... ela filtra o necessário pra se encaixar na sua condição para existência. Ela consegue ar pra respirar por mais um dia. Afinal, ela sempre dá um jeito.

Ela é chata, ela sabe do que é capaz. Ela sabe de tudo. Acredita nas pessoas e confia no que foi dito, ao mesmo tempo que sabe de toda a verdade. É incrível como ela consegue transformar dois opostos em milhares. Milhares de verdades. Milhares de mentiras. E ela sente dentro de si mesma que deve acreditar, que no fundo, no fundo, tudo está certo e tudo está errado.

Ela não vai descer do avião. Não agora, ela não vai encarar a realidade lá embaixo, não quer ter que encarar as pessoas e principalmente, ousar desembarcar sem ninguém a esperando com um abraço. Ela ignora, se faz de desentendida, filtra todas as coisas ruins e absorve somente o que se encaixa na sua utopia. Ela não vê problema algum em usar algo que significa tanto, porque não é nada comparado ao que ela sente. Isso ajuda a acordar todos os dias, dar de face com a placa de realidade e seguir em frente.

Seguir em frente. Ela não sabe caminhar aleatoriamente, ela está cansada de se perder em passos vagos. Ela ainda enxerga uma luz minúscula no fim do caminho, pode ser a luz de uma estrela. Ela sabe que talvez esteja apenas olhando para o passado, mas ainda existe a possibilidade de estar brilhando. Ela segue em frente, a chegada é incerta, mas ela segue. Segue porque tem esperança. Segue porque vale a pena.

E o que ela encontra no final?
A certeza. Ou uma, ou outra.

Ela passou a vida inteira em busca de certezas.
E então fica a incógnita: todas as certezas valem a pena?

Mas ela mudou. Dessa vez, está preparada.
Está usando rímel a prova d'água :)

...So she can forget that she's me.

domingo, 9 de outubro de 2011

If I'm going down, then I'm going down good.

Eu estou bem, só não estou feliz.

A nuvem se foi, a armadura se foi, minha casca se foi. Quem me protege agora? Porque eu não posso fazer isso sozinha, meu senso de auto destruição sempre me engana disfarçado de alguma coisa. E então quando me deixo fisgar, ele se mostra verdadeiramente. Sou eu, novamente, cara a cara com a destruição.

Eu que sempre fui tão indiferente e tão "I dont give a shit" pra tudo... o que aconteceu, Breeeenda? O que houve contigo? Nessa tua busca incessante por qualquer coisa, tu descobriu que era capaz de extrapolar limites? Saudade de quando eu era assim, de quando podia me definir.. as minhas definições me impunham limites. Quando eu perdi essas definições, passei a me entregar por inteiro e me jogar de cabeça em tudo, sem limite, sem medo, porque eu achava que nunca ia ser decepcionada. Isso se chama confiança. Confiança estúpida. Quero passar longe disso pro resto da minha vida... é melhor continuar como eu sempre fui, calculando o sim e o não, não vivendo como se apenas o sim existisse... porque o não existe, e dói muito voltar pra esse lado quando se está enraizada de corpo e alma no outro.

Depois de tanto tempo me definindo e descobrindo traços da minha própria personalidade, eu chego a conclusão de que eu não sou nada. Nada no sentido de definível. Eu não posso mais ser definida. Eu sou carinhosa, eu sou arrogante, eu amo, eu odeio. Sou legal, sou um porre. Eu me moldo. Eu sou um conjunto de ações e reações. Eu posso ser quem pensa aqui dentro, mas vou exteriorizar somente consequências.

A Brenda de um milhão de fases. Respirando paradoxos, engolindo paradoxos, vomitando paradoxos, pra lá e pra cá. Isso não muda.

Eu ODEIO ter que viver com limites. Tu já sofreu a maior queda, se quiser sair te atirando por aí agora, nada pode ser mais doloroso do que o momento em que tu bateu com os ossos no chão. Tu sabe que tu é capaz, tu sabe até onde tu consegue chegar. E eu me sinto feliz que tu não saiba, ou pelo menos ignore, a possibilidade de fracassar. O fracasso pra ti sempre foi um resultado, não uma possibilidade.

Eu não sei mais escrever. Porque me colocaram limites pra escrever.

Eu quero poder confiar em mim e nas pessoas novamente, mesmo sabendo o que vem depois da entrega, eu quero morrer, mas que seja a rainha das mortes. Se for pra viver, eu quero viver. Não quero existir. Eu não nasci pra existir. Eu não nasci pra subestimar o tempo. Eu não nasci pra nada disso que está acontecendo! E aí, esse é o sentido da vida? Passar pelo contrário? 

The prettiest broken girl you've ever seen.
The prettiest wretched whore you've ever seen.
Everyone else can watch as their dreams untie... So why can't I?

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Shallot

Eu não soube lidar com a minha própria vida.
E não sei lidar nem com a minha morte.
Que bosta de ser humano eu sou?

É porque não é a hora de morrer.
E quando é a hora de viver?

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Frases de Stephen Hawking

"A prova de que no futuro não existiram viagens no tempo ,é que não estamos sendo visitados pelos viajantes do futuro.

Eu não tenho nenhuma idéia (de qual seja o meu QI). Pessoas que se vangloriam dos seus QI são perdedores.

Diz muito sobre a natureza humana que a única forma de vida criada por nós é puramente destrutiva. Criamos vida à nossa imagem.

Não creio que a raça humana possa sobreviver aos próximos 1000 anos, a menos que nos espalhemos pelo espaço.

Tenho notado até mesmo as pessoas que afirmam que tudo é predestinado, e que não podemos fazer nada para mudá-la, apenas olhar antes de atravessar a estrada.

Inteligência é a capacidade de se adaptar à mudança.

Não está claro que a inteligência tem qualquer valor para a sobrevivência a longo prazo.

Não se pode realmente discutir com um teorema matemático.

Para limitar a nossa atenção para assuntos terrestres seria necessário limitar o espírito humano.

Nós somos apenas uma raça avançada de macacos em uma velocidade orbital de uma estrela média. Mas nós podemos compreender o Universo. O que nos faz algo muito especial."



Praise the Lord.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Divagações inúteis

Eu tenho que admitir que em dezoito anos de existência, ou morte, como eu prefiro, eu me encontro perdida em meio ao nada, literalmente. Confesso, perdi completamente o controle de tudo. Não sei pra onde foi aquela grande parte otimista que coexistia com a Brenda realista, não sei quando ela foi embora e nem porquê, sequer percebi. As coisas simplesmente vão tomando seu rumo enquanto tu está assentada em um castelo de cartas. E todos os meus grandes sonhos e ideias hoje transformaram-se em nada mais do que planos frustrados.

As pessoas perderam o valor, ou eu me recolhi tanto a ponto de retirar o valor de todo mundo. Tanto faz, o fato é que eu descobri que quase ninguém é essencial. Quase, algumas poucas pessoas se salvam por conta desse quase, e eu temo que o bendito quase se transforme em nada. Sabe quanto tu sente que não precisa das outras pessoas, que elas não tem graça, mas ao mesmo tempo tu olha pra ti e se decepciona ao ver que tu tem tanta graça quanto elas? Pois é, e é a partir desse ponto que eu aprendi o que é a aceitação.

A aceitação da tua própria companhia, a aceitação de que a tua companhia ainda é muito melhor do que a de todos os outros. A aceitação de que, a não ser que algo tome um fim trágico, é contigo mesma e só que tu vai passar por muitos anos. Eu tenho passado minhas noites acompanhada pelo Jô e alguma porcaria mastigável, e posso dizer que ainda tenho madrugadas produtivas quando concluo algum desenho tosco.

Só sei que eu to entediada, vivendo uma repetição estúpida e irritante. É nessas horas que eu penso que, o meu maior problema é pensar, talvez eu devesse parar. Conheço muita gente que não pensa que está melhor do que eu. Não, conheço muito mais gente que está se fudendo, independente de pensar, tanto quanto eu. Os dias estão passando, alguns laços familiares se desfazendo... Todo dia antes de dormir sempre dou aquela conferidinha no espelho pra verificar se eu também não sumi.

Eu só não crio teias de aranha porque volta e meia levanto pra comer alguma coisa. Quando mais nova eu me achava uma espécie de garota prodígio, sabe? Talvez eu tenha parado no tempo, ou cresci em tamanho e esqueci de atualizar o banco de dados. Eu não sei mais nem escrever, esse texto tá absurdamente sem nexo e mal escrito. Na verdade ainda sei escrever, acontece que me falta é vontade. Como se... tudo tivesse pouca importância, como se tudo fosse um grande monte de merda.

Eu fiz uns testes de sanidade mental online e o resultado é que eu sou uma pessoa completamente normal. E eu concordo. Acho que alguém que vive nesse ambiente entediante e se move pra realidades paralelas e sonhos inventados por livre e espontânea vontade, é completamente normal. Loucos são vocês que vivem e respiram lixo. Ah, eu mudei mais uma vez. Essas benditas mudanças drásticas e repentias que eu mesma me submeto, aconteceram de novo. E apesar de ter me transformado em alguém muito mais introvertida e fechada do que antes, me sinto muito mais verdadeira e confortável.

Não é novidade pra ninguém. Eu não gosto de contato com pessoas, eu não gosto de social. Eu não gosto de procurar o que dizer ou o que fazer pra aconselhar, não gosto de inventar coisinhas pros outros rirem. O silêncio é uma opinião e eu não tenho mais vontade nem paciência pra dialogar com pessoas. Eu tenho preguiça de pessoas, e ódio de algumas. Assim como descobri que as pessoas não são essenciais, eu finalmente entendi que o que eu sinto por algumas não é amor, e sim fissuração por uma utopia, por um sentimento que na realidade não existe. Quando se leva muita patada na cara, por mais que tu tente, tu mesma vai te forçar a abrir os olhos e descartar toda essa dor repetitiva. Eu prefiro amar de longe do que odiar de perto. Eu prefiro lidar apenas com a convivência real do que com um amor que não existe.

Não sei se eu fui estragada, mas eu acho que 18 anos de ações de tal tipo com certeza causaram alguma coisa em mim. Se me estragaram, eu aceito também que me permiti estragar, afinal, eu sou minha. Eis outra coisa que não consigo afirmar: de quem eu sou? Independente eu não sou. Só sei que eu reconheço que eu estou na merda, desmotivada, cansada, preguiçosa e entediada. De saco cheio de tudo e principalmente de todos. Tomara que eu acorde amanhã com 100 reais embaixo do travesseiro pra ir ver minha mãe e meu irmãozinho e na volta deixar uns currículos pra me canditar a panfleteira do centro. Pra alguma coisa eu devo prestar, afinal, cada um tem uma missão né? Quem sabe eu tenha me julgado um pouco mais do que eu deveria ser. Quem sabe minha missão seja distribuir notícias de aparelhos gratuítos e análise sem compromisso.

Essa história de missão me anoja. Esse mundo me anoja. O mundo desistiu de mim muito antes de eu ter desistido dele. Ai ai, e o que mais me irrita é que como se não bastasse eu odiando minha própria existência e fracasso, eu ainda tenho uma pessoa que me lembra disso todo dia. É só pra "garantir" mesmo que a tua vida é uma merda e que tu é imprestável. A única vontade que eu tenho é de me enfiar num casulo e esperar meus órgãos se desmancharem. Estou procrastinando essa passagem por aqui, torcendo pra que o tempo passe de uma vez. Sra. Vida, fica pra próxima vez okay?

E o motivo pelo qual eu estou escrevendo isso? Nada de melhor para fazer. To curtindo meus devaneios e reclamações num quarto fechado. Daqui a pouco o Jô vai se juntar a mim. Inclusive, tenho que lembrar de tomar banho amanhã, vai que eu precise sair de casa né... Ai ai a vida, essa malandra, sabe enganar adolescentes sonhadoras direitinho. Ponto pra ela.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Deus.

[nem concordo mais com vários pontos desse texto, mas vou deixar aqui for the sake of gostar de ler as merdas que já pensei no caminho]

Eu não consigo mais me encaixar em nenhuma definição religiosa. Não sou católica, nem evangélica e nem espírita. Não sou satanista, não sou crente. Não acho que eu seja agnóstica, pois eu tenho a certeza de que existe um deus sim, apenas não sei como. Também não sou atéia, pois apesar de não acreditar no deus em que todos acreditam, eu acredito em um Deus.

Mas aí entram os meus poréns. Eu acredito em um deus e não sei se devo utilizar letra maiúscula em seu nome. Queria deixar claro desde o início, a dificuldade que eu estou tendo para tentar traduzir isso em palavras sem que se torne repetitivo. Mas enfim, eu acho tão boba a condição do ser humano quando ele se sujeita a um deus. Me parece tão "feio", bruto, ignorante e primitivo - e não critique se você não tem certeza do que estou falando.

O que acontece é que em qualquer religião, as pessoas tomam características humanas para seus deuses. Sejam elas qualidades ou defeitos. Muitos projetam em seus deuses o que gostariam de ser, ou até aquilo que já são mas não conseguem se livrar. O que eu posso dizer de tudo isso? Um deus na qual se alimentava de sacrifícios de animais, de sangue e substâncias carnais, não pode ser um deus divino. Um deus que expressa valores machistas, homofóbicos e até preconceituosos em relação à deficientes, nunca será aceito por mim como uma divindade. A bíblia retrata um deus injusto, instável, inconstante, machista, preconceituoso, egocêntrico e ainda por cima mentiroso e hipócrita, pois afirma ser o contrário de tudo o que foi definido acima. E é por isso que eu não acredito em um deus bíblico. Na verdade pode até ser que ele exista e seja desse jeito, mas não é porque ele é realidade que eu deva segui-lo. Em outras palavras, o demônio é real e você não o segue porque não concorda com seus princípios. É assim que eu funciono em relação à deus e o diabo. 

Existem inúmeras contradições na bíblia, o que não é novidade para ninguém e eu pretendo colocá-las aqui em breve. A bíblia é um belo manual de como criar seres humanos obedientes, e assim como qualquer livro de poesias ou auto ajuda, possui verdades e partes úteis. As pessoas dizem que o mundo está essa merda que está hoje porque não buscam mais à deus. Será? Será mesmo que somos tão desprezíveis ao ponto de só sermos bons por temer uma punição? Vejamos, se todos seguissem a deus, viveríamos em um mundo poligâmico, onde as mulheres vítimas de estupro seriam apedrejadas por não terem gritado o suficiente, onde deficientes físicos não seriam dignos de entrar na igreja, todos seríamos preconceituosos e apedrejaríamos quem ousasse fazer uma previsão do tempo. O humano seria menosprezado e seríamos vítimas do nosso próprio ódio por nós mesmos, porque seríamos imperfeitos insignificantes em relação a nosso deus. Qualquer tipo de ciência e conhecimento seria desnecessário, visto que o centro de nosso mundo e todas nossas leis seriam nada mais do que um deus pessoa.

Entre ser uma boa pessoa por ter caráter, e ser uma boa pessoa por temer uma punição, existe uma diferença tão grande, que pode ser considerado como coisas completamente opostas. As pessoas devem ser boas por livre e espontânea vontade e não por imposição. O mundo será o lugar perfeito, no dia em que todos entenderem que esses deuses-pessoas não são verdadeiros, são apenas uma enganação para refrear justamente, o poder e a bondade humana.

As pessoas não entendem que entre um deus e uma pessoa, não deve existir hierarquia nenhuma. Você não deve se ajoelhar e curvar-se diante de uma criatura reconhecendo sua insignificância, assim como também não deve se achar superior à nenhum ser. O dia em que as pessoas reconhecerem que a vida delas depende de organismos minúsculos, tanto quanto a deles depende das suas, e que tudo o que está em cima está para o que está embaixo, que tudo tem um oposto e que todos os opostos são necessários e tratam-se da mesma coisa; e que elas tem poder dentro de si mesmas, que não precisam abrir mão de sua responsabilidade e capacidade para jogar nas mãos de um ser superior à elas, o mundo será perfeito.

Deus, o meu Deus, é muito maior do que todo esse conjunto de leis impostas para domar seres humanos. Ele é o que mantém os planetas em órbita, ele é o que te permite habitar o teu corpo e não o de outra pessoa, ele é um conjunto de equações matemáticas, ele é todo o conhecimento que tu possui hoje e que ainda está por aprender. Como diria um amigo, Reko: "ele é o que faz a tua pizza ficar pronta". Ele é o tempo, ele é o espaço. Ele é o início e o fim, o limite e a barreira. A própria bíblia concorda com toda essa definição quando diz que deus está em todas as coisas e que seu nome é "EU SOU". É o amor, é o ódio. É o quente, é o frio. É a luz e também a escuridão. Entre o bem e o mal, entre Jeová e Satanás, ele é o terceiro. Ele é onipresente, oniciente e onipotente, pois ele nada mais é do que tudo o que existe e todos que existem.

Entende? Deus não é uma galinha que tu oferece o sangue, nem uma cruz de madeira que tu usa no pescoço. Deus não é essa coisa "feia", religiões são feias. Deus é você, deus sou eu. É a consciência, é a mente. É microscopicamente infinito e vice versa. É simples e complexo. É o espaço onde as coisas acontecem, é o tempo que denomina o que está acontecendo, e é as coisas em si que estão no espaço e no tempo acontecendo (ok, só eu entendi esse trecho). Obs.: Eu acho graça que quando eu escrevo um texto, eu o redijo pensando em expor alguma conclusão que eu já tenha, e conforme o escrevo acabo mudando meu ponto de vista e tirando mais conclusões ainda. E deus está presente até nessas minhas conclusões, ou revelações, como preferir.

Acredito e ainda estou na espera do dia em que todos entenderão o que tentei retratar acima (com palavras erradas pois ainda não inventaram as necessárias para tal explicação). O dia em que poderemos parar de nos humilhar perante um deus pessoa e finalmente possamos dar as mãos, reconhecendo nossa própria divindade que é refletida em todos; para assim, parar de tentar subir à uma única criatura e finalmente subir uma escada em direção à nós mesmos.

Três. Trindade. Terceiro. Base. Equilíbrio. Expansão.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

O egoísmo perante a vida

Todos nós temos a certeza de que somos conscientes e a ideia de que temos alma é aceita pela maioria, creio eu. Você sabe que você é o dono desse corpo, você sabe que os seu pulmão é seu, e é você quem está vivo, ele apenas faz parte de você. A repetição se fez necessária para introduzir o assunto. Enfim, um ser humano tem órgãos responsáveis por cada função em seu organismo, estes por vez são formados por tecidos, que são formados por células.

Uma célula possui inúmeras organelas, que nada mais são do que seus órgãos, responsáveis pelas funções de respiração, alimentação, e até defecação. Após isso, uma célula não seria um organismo como o nosso em menor escala? O que move o nosso corpo é nosso fluído vital - seja ele alma, sangue ou qualquer tipo de força que você acredite que seja. Nós estamos VIVOS, e é isso que faz nosso organismo funcionar. Qual o responsável pelo funcionamento de uma célula então...?

Nós não diferimos em nada de uma célula. Sim, isso é uma afirmação (coisa muito rara de se encontrar nessa minha escuridão). Células são organismos, vivos. Nós somos células de um outro organismo, vivo. Existe um fluído que move tudo isso, e não é preciso ter consciência para se estar vivo.

Inteligência artificial e robôs semelhantes à humanos. O que pensar? Suponhamos que algum dia o criador de uma criatura robótica decidisse a desligar. Ele não teria remorso algum, afinal, aquilo é uma máquina! Não possui essência humana. Possui inteligência, capacidade de aprendizagem... mas é apenas uma criatura robótica. Foi feita de vários tipos de metal, seus órgãos são feitos de um material diferente. Aquilo não possui alma, é apenas fruto de seu processo criativo.

Agora suponhamos que certo dia deus decidisse destruir sua criação. Ele não teria remorso algum, afinal, aquilo é uma criação! Não estava lá desde sempre, possui inteligência, sentimentos, capacidade de aprendizagem... mas é apenas uma criação. Não possui essência divina. Veio do barro!! Não é como deus ou anjos, não possui alma, é apenas um pouco de carne, um enfeite artesanal confeccionado. Um desenho. Uma escultura.

Voltamos ao primeiro parágrafo. Você está vivo e tem consciência. Está nesse exato momento fazendo o uso de várias ferramentas do seu corpo para tomar comprensão destas letras. Como um robô, está entendendo, está armazenando, está aprendendo. Mas é apenas uma criação, feita de barro ou metal, alguém o criou. Pois aquele que cria, automaticamente se torna deus. E então só porque você foi criado quer dizer que não seja de verdade? Do ponto de vista de quem?

Quando algo é criado, nós nos dividimos, transferimos uma parte de nós mesmos àquela criação. "À imagem e semelhança do criador". Você realiza nada mais do que uma divisão celular. O fluído da vida sempre é transmitido. Você é tão criador quanto criação. Você é tão célula quanto uma célula, e ela é tão organismo quanto você. As organelas destas são formadas por alguma coisa, e esse alguma coisa é formado por alguma coisa. Você faz ideia de que você nunca conseguirá enxergar seu corpo com totalidade? Não temos olhos para isso. O seu corpo é infinitamente microscópico E infinitamente telescópico, pois você é a coisa que forma alguma coisa coisa, que forma a organela da célula que forma alguém.

E a conclusão de tudo isso?

Tudo o que existe está para tudo o que existe.
As mesmas direções, mesmas leis, mesmos deuses.
O mesmo e único fluído vital. A vida é indestrutível.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

~

Magic is only a part of science which is undiscovered.

Before the discovery of magnet, the magnetism was also considered as a magical thing. What you need to remember is that energy its self is neutral. It is the person using it that determines whether it comes out positive or negative. And don't forget that everything you do to others will come back on you ten fold that is the natural order. Always has been and always will be.

Eu vivo do abstrato, não tenho os pés fixados nesse planeta e sei que deveria consertar isso. E quem disse que eu quero? Prefiro viver com a mente do que com o corpo. Prefiro viver no azul do que no vermelho. Prefiro o equilíbrio, os dois lados, a ambiguidade. O bem e o mal presente no mesmo ser.

Não me incomoda. É assim que eu nasci. É assim que eu me encontrei. É assim que me moldei. Uma definição concreta? Nenhuma. Eu sou a presença e a ausência de tudo. Minha perfeição deve-se justamente às imperfeições. Eu sou a contradição.

terça-feira, 24 de maio de 2011

To find ourselves lost here within we need reasons why...

Bactérias tem alma? Como é a vida de uma bactéria? Uma bactéria tem consciência? Bactérias tem livre arbítrio? (seres microscópicos em geral...) E o que nos diferencia de bactérias em relação à Terra? E se tivéssemos um microscópio "mágico" e víssemos o infinito abaixo de nós, repleto de seres microscópicos e eles todos tem alma... Isso quer dizer que até a quantidade de almas existentes é infinita?

Supondo que todos os seres possuem alma e estão aqui para evoluir e a morte faz parte do processo evolutivo... como uma turritopsis nutricula evolui? Qual o propósito de sua vida? O que habita dentro daquele organismo milimétrico?

Dois espelhos de frente um para o outro refletem o infinito. Mas o que um espelho vai refletir se não há nada a ser refletido? É possível refletir o nada? COMO é o nada? Como é a ausência? Ausência pode ser considerado sinônimo de infinito?

Pelo que nós realmente vivemos? Será que tudo isso faz parte de um processo evolutivo ou uma simples diversão, um passatempo de um povo eternamente entediado? Independente de você ser médico, mendigo, ter família, ser um assassino ou qualquer outra coisa; os planetas continuam em órbita, as estrelas continuam a nascer e a morrer, o universo e tudo lá em cima continua funcionando. À longa distância infinita nós seríamos indiferentes? E para o infinito menor, também seríamos indiferentes? Isso é bizarro...

Deus? Deus? Deus? Onde está Deus? Deus é todos nós? Deus é um ser único, uma trindade, um símbolo? DEUS É O TEMPO? Deus é o universo? Jesus é o sol? Todos os deuses que temos tratam-se da mesma pessoa? Deus NECESSITA de nós? NÓS necessitamos de Deus?

O que é o mal? O contrário do bem ou apenas a AUSÊNCIA do bem? Lúcifer é um anjo? Lúcifer é a maldade na cabeça das pessoas? Lúcifer é tão real quanto Jesus?

Existe propósito e razão em tudo mesmo? Qual o motivo de existir tanta matéria aparentemente inútil - mas de certa forma viva, lá em cima? PORQUE DEMÔNIOS EXISTEM PLANETAS INABITADOS? E PORQUE DIABOS NÓS ESTAMOS VIVOS E PIOR AINDA, TEMOS CONSCIÊNCIA?

A consciência é infinita? Estar vivo e possuir alma são coisas diferentes? Agora que nós estamos vivos, nós sentimos como se a consciência fosse infinita, como se ela não pudesse ser desligada nunca mais depois de ser ligada. Mas... e onde nós estávamos antes? E antes da consciência ter sido ligada? Estávamos vivos? Estávamos conscientes? Agora que nós existimos, é impossível sermos destruídos?

O pensamento tem poder. O pensamento tem até peso. O que vivemos hoje é obra do destino ou é obra do acaso? Ou o que vivemos hoje é simplesmente reflexo de tudo o que as pessoas atraem e desejam em pensamento? E se todo o planeta acreditasse que fosse capaz de voar... nós seríamos capazes de voar? Nossa realidade é formada por nós mesmos? O destino é formado por nós mesmos? LOGO, o destino não existe??

O que seria absolutamente todos os 96% de matéria e energia escura que compõem o nosso universo? Pelo fato de nós não podermos enxergar, automaticamente isso não faz parte do nosso universo? Será que um dia já fomos observados pelo microscópio de alguém? Se mesclarmos a ideia de céu\inferno com universos paralelos... isso quer dizer que até os religiosos são pecadores e foram para o inferno? Isso nos tornaria bons e maus na mesma proporção?

Isso quer dizer que eu já morri infinitas vezes? E que a cada possibilidade que acontece, expande as possibilidades que se originaram da primeira? '-' É infinito... Infinito como um cone invertido ou como um CÍRCULO?

O infinito não poderia ser traçado em uma linha reta... Porque se fosse traçado em uma linha reta quer dizer que ele não cresce. Acho que a ilustração mais próxima que chegamos do infinito é um círculo. Simboliza o constante crescimento e aumento de informações, em TODOS OS LADOS, e a cada vez que passa os lados ficam maiores e mais numerosos. E cada vez maior. E cada vez mais inacabável. Porque para ser infinito, precisa estar em uma expansão progressiva.

Como pode algo se expandir? Se algo está se expandindo quer dizer que anteriormente a expansão existia um limite. Mas se existia um limite existia uma parede. Seria uma escuridão? Mas então quer dizer que há outra coisa além do que está sendo expandido e a escuridão seria OUTRO UNIVERSO? Isso quer dizer que... O INFINITO NÃO EXISTE? Mas se o finito é comprovadamente impossível, teríamos uma terceira classificação na qual ainda não conhecemos? E se de acordo com a bíblia, a infinita grandeza de deus não é compreensível para os homens... SERIA DEUS O INFINITO?

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHH :S
Brenda explodiu após escrever esse post.

24 de maio de 2011.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Turritopsis nutricula ♥

Ela é imortal. E só pode ser morta, obviamente, se for atacada por um predador. A maioria das espécies de águas-vivas possuem tempo de vida que vai desde horas, até meses. A Turritopsis Nutricula é a única forma conhecida por ter desenvolvido essa habilidade. Após atingir a maturidade, essa água-viva regride a condição de pólipo... e esse ciclo acontece permanentemente.
 
Mede em média, apenas 5mm, muitos cientistas procuram nela o elixir da juventude. Ela simplesmente consegue fazer o ciclo inverso da vida, para depois recomeçar crescendo novamente. Ciclo da vida infinito. Esse processo é chamado de "transdiferenciação".
 
Descobrir que esse bicho existe, com certeza foi uma das coisas que mais ferrou minha mente. Não vou fazer consideração alguma sobre alma e evolução, não tenho conhecimento ainda pra isso e boa parte das minhas conclusões foram por água abaixo depois disso... Essa criatura tão pequena e complexa tem alma? É viva? Evolui? Obviamente, se alguém tiver algo a acrescentar sobre o assunto, agradeço muito se puder compartilhar.

Onde está meu deus agora?

domingo, 24 de abril de 2011

Poder, simplicidade, condenadores do mal, portadores de verdade e afins.

Creio que um dos nossos maiores erros, é justamente o de achar que aqueles que tem poder são especiais. O que eu mais vejo, é gente que não sabe lidar com os próprios segredos. Gente que, ao invés de honrar a confiança que foi lhe dada ao saber de algo, prefere espalhar por aí, pensando no próprio ego, pensando que a sua verdade é necessária para o bem de todos.

A tua verdade, ela é necessária para a tua vida aqui na terra, e para toda a tua escala de evolução. Mas temos que entender que ela é temporária. NUNCA, ninguém, jamais será portador de uma verdade absoluta. Não existe o fim, não existe a linha de chegada final. É sério, o ser humano é muito hipócrita, egoísta, no sentido de cultivar o próprio ego. A maior ignorância que nós podemos cultivar dentro de nós mesmos, é justamente, acharmos que somos especiais, poderosos e diferentes. Claro que tudo depende e em termos humanos isso difere um pouco. Mas de forma geral, as criaturas não entendem que não há nada de errado em ser fora do comum. Ser sobrenatural é comum, milagres são comuns. Todos somos iguais, não interessa se o fulano é um espírito negro, um ser das trevas, um ser luminoso, um anjo, um hipopótamo que seja. Ele é um ser, a única diferença é que ele pode estar mais evoluído do que tu ou não. Existem diferenças sim, mas NUNCA desigualdade. E SÓ. Tudo o que existe, são seres. Temos mania de estudar deus e o mundo e esquecer do principal mistério que ninguém nunca jamais conseguiu explicar, que é simplesmente estar vivo. A vida é o maior mistério.

Gente que se acha especial por enxergar espíritos, por falar com anjos, por saber alguma verdade que ninguém sabe, são todos ignorantes. Pessoas que necessitam alimentar o próprio ego, se achando superiores. Tem que entender que enquanto tu tem esse teu lado super bem desenvolvido, o fulaninho do teu lado sabe tocar guitarra como ninguém. E aquela criança pobre e fedida que tá ali do teu lado, ela é muito melhor em matéria de sentimentos do que tu, a mãe dela é muito mais bem amada do que a tua. Existem diferenças. Existem diferentes elementos. De todos os elementos, não existe um que seja mais poderoso. Não existe uma habilidade maior, tudo é grandioso diante do seu universo. Isso são fatos, e ponto final.

Qual a diferença de nível, entre um homem e uma formiga? Ah, nós homens temos família, amor, sentimentos, inteligência, construímos nosso ambiente, podemos estudar o universo, os planetas, deuses, espíritos, coisas grandiosas que pra uma formiga... ela nem deve fazer ideia que existe. Diante de uma formiga, nós somos deuses gigantes. - Ok, seu merda, agora deixa eu te contar. Uma formiga, consegue ver a textura, e cada detalhe de uma folhinha, uma flor, uma simples migalha no chão, na qual tu na teu gigantesco ser, precisa de um microscópio e máquinas pra poder ter a mesma visão que ela. Ela também constrói a própria casa, vive em uma sociedade, inclusive, muito melhor e mais organizada do que a tua. E isso não quer dizer que ela seja melhor, nem pior do que tu. Ela tem coisas que compensam a perda, e vice versa.

Temos mania de olhar pro céu a noite e nos sentirmos insignificantes, por não poder enxergar além daquela escuridão. Saber que não somos absolutamente nada diante da grandeeeeeeza do universo. Cultuamos essa deidade por tudo que é maior. Agora ok, eu te convido a olhar pra qualquer coisa na tua frente. Aproxima teus olhos, COLA A CARA NO CHÃO e me diz: O QUE TU CONSEGUE VER? Uma superfície lisa? Micro texturas? Pois é, pode forçar os teus olhos o quanto tu quiser, tu não vai conseguir ultrapassar nem o céu, nem o chão. Qual é a menor unidade de algo que nós conseguimos encontrar...? Um átomo que seja? Ok, mas e do quê o átomo é feito? Se virássemos uma bactéria, iríamos enxergar coisas jamais vistas, iríamos viver em um mundo completamente diferente. E ainda assim não íamos conseguir enxergar o infinito acima de nossas cabeças, assim como o infinito abaixo de nossos pés (e eu nem entrei na possibilidade de nós JÁ sermos bactérias, mas tudo bem, não quero ferrar a mente dos poucos que podem ler isso aqui).

Enfim, eu fui super além, mas é só pra mostrar àqueles que se acham superiores por saber de alguma coisa, ou serem escolhidos pra guardarem segredos, que a porcaria do mundinho que ele julga ser tudo é quase nada diante do todo. E que ao mesmo tempo, O TODO não existe. O limite não existe. No segundo anterior a esse, a verdade universal estava num degrau. Até é possível que algum ser tenha compreendido ela, mas no segundo seguinte, ela já subiu mais um degrau. E é justamente aí que eu quero chegar! Nunca ninguém vai chegar. Porque se chegar, morrerá. O sentido da vida é a busca, são os objetivos. Se tu alcançar, tu não estará mais vivo, pois não terá mais nada pelo que procurar. É uma escada infinita. PORÉM, infinita tanto pra cima quanto pra baixo. É isso que tem que ficar claro.

Cada um de nós tem uma verdade. Cada um de nós tem a sua verdade de acordo com o que adquiriu e precisa pra evoluir. Portanto, se tu foi escolhido pra ser o guardião de um grande segredo que poderia matar outras pessoas, GUARDE-O! Deixe de ser egoísta e querer provar o quanto é fodão, e apenas cumpra o que te foi confiado. E entenda que assim como tu sabe de uma grande coisa, a outra pessoa também sabe. E ela não vai te contar, porque tu não precisa disso. Tu só precisa da tua verdade por enquanto, e ela da dela. Mais tarde tudo vai se juntar (e mesmo depois disso ainda não será alcançado uma verdade absoluta, porque tudo é infinito).

FATOS: Todos os seres são especiais. TODO, TODO, TODO MUNDO TEM PODER. O problema é justamente o contrário. É a falta de simplicidade e humildade, em se reconhecer que tudo não é nada comparado ao todo. Gente que se acha dono de todas as verdades e que não tem nada mais pra aprender é muito BURRO (e sim, existem pessoas assim aos montes). Pois é espertinho, se tu é tão fodão quanto tu diz, o que tu tá fazendo nessa forma humana, tão simples? Se tu como humano tivesse alcançado alaguma coisa, já estaria morto, DEAL WITH IT. Foi tu mesmo quem te colocou nessa forma para aprender e evoluir. Ninguém é especial por se ter poder, especiais são aqueles que conseguem reconhecer sua simplicidade, e continuar sua busca por evolução, sempre buscando ajudar e contribuir ao invés de competir ou inflar o próprio ego tentando encontrar em si uma grandeza que na verdade, todos tem.

E temos que aprender a deixar de condenar o mal. E não leve isso ao pé da letra, não sejamos ignorantes. Todo ser é portador do bem e do mal, acontece que, temos que aprender a usar a energia (seja ela qual for ou da onde ela venha) PARA O BEM, e somente isso. Não importa essa história tosca de quem tem espírito negro, quem tira suas forças do escuro, é tudo energia, e toda energia pode ser convertida para o bem. Morte, sofrimento, dor, são coisas que fazem parte da vida. E se não existissem, tu não ia ser a pessoa que tu é hoje. Tudo é um ciclo perfeito e se encaixa. Portanto, não condene. Aprenda a lidar e transformar em algo proveitoso. EVOLUA a partir disso. E reconheça, que mesmo após evoluir, ainda não é o topo.

(...)

(...) <<<<<<<<<<<<<<<< # >>>>>>>>>>>>>>>> (...)
(...) <<<<<<<<<<<<<<<< # >>>>>>>>>>>>>>>> (...)
(...) <<<<<<<<<<<<<<<< # >>>>>>>>>>>>>>>> (...)
(...) <<<<<<<<<<<<<<<< # >>>>>>>>>>>>>>>> (...)
(...) <<<<<<<<<<<<<<<< # >>>>>>>>>>>>>>>> (...)
(...) <<<<<<<<<<<<<<<< # >>>>>>>>>>>>>>>> (...)

(...)

Welcome to the Universe.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Você ama a raça humana?

Sabe, eu não amo exatamente o que eu sou. Eu gosto da minha ambição por inteligência e evolução, gosto de todas as minhas partes sentimentais boas. Em compensação eu me odeio porque sei que estou aprisionada numa forma burra e incapaz de comportar exatamente tudo aquilo que eu quero ser.

Odeio o egoísmo humano, a corrupção, a preguiça e o descaso de bem... a maioria das pessoas, só pra não generalizar. Li um texto recentemente que dizia que nós, humanos, não amamos uns aos outros, e que esse é o maior problema do mundo. Mas ok, eu concordo com essa afirmação. Porém, não acho que não amar os meus semelhantes seja errado. Eu já tive vontade de matar, de fazer coisas horríveis. Coisas que um fiel religioso condenaria, pois não posso desejar mal aos meus irmãos... Mas aí a questão: até que ponto vale a pena esse amor incondicional por uma raça egoísta e traiçoeira?

Passei muito tempo me perguntando se o natural do homem, digo, a essência verdadeira do homem, é boa ou má. Se nós viemos pra cá tentar conter a nossa maldade e evoluir nos tornando bons, ou se viemos pra cá perfeitamente bons e o mundo que nos corrompeu. E a conclusão que cheguei é de que a raça humana é ruim por natureza mesmo. O natural das pessoas seria agir de acordo com o instinto (como um homem que trai, por exemplo), competir com outras fêmeas, se preocupar somente com o seu alimento, cuidar apenas da sua prole. Agora, egoísmo é marca humana registrada.

Ok, e se você não ama a raça humana, como explica o amor pela tua família, teu namorado? Simples. Todas as pessoas que eu amo são desumanas. O conceito de humano e desumano pra mim é o inverso daquele contido nos dicionários. Eu amo meu namorado, amo a pessoa que existe dentro dele e não somente uma casca que foi chamada de Philippe por escolha dos pais dele. Philippe é somente um nome para identificá-lo nesse mundo, assim como tu sabe que uma tv é uma tv, uma cama é uma cama. Ele de verdade não se chama Philippe. Não é o Philippe que eu amo.

Eu amo o carinho da minha mãe, que nada mais é do que a doação. Amo a dedicação e instrução do meu pai. Tudo o que eu amo numa pessoa são as características boas, as características desumanas. Digamos que, eu não amo a pessoa de ninguém. O amor que eu sinto é como se, fosse colocado um grupo de pessoas completamente podres, burras e imperfeitas, em igual condição. Eu amo aquelas que com o tempo, conseguiram se distanciar o máximo possível disso. Aquelas que evoluíram.

E infelizmente eu me sinto cada vez mais... talvez anti social, por causa disso. Parece que eu não sinto mais interesse por ninguém a não ser que aquela pessoa tenha algo a me acrescentar. E aí entra a minha condição humana detestável... Sinto como se eu sugasse as pessoas, tirasse todo o proveito que eu posso, e depois quando eu alcanço um "nível" maior do que ela, simplesmente a descartasse, procurando uma nova fonte.

Não sei se existem mais pessoas como eu, pelo menos nesse quesito. Por isso que eu acho importante o crescimento constante. Entre duas pessoas que sempre buscam evoluir e aprender cada vez mais, a fonte da qual um suga o outro nunca vai se esgotar.

Eu abri um parênteses enorme no meio do texto. Voltando pro assunto principal agora, eu acho que sou uma pessoa cheia de amor sim. Digamos que, eu tenha um amor incondicional e absurdo por animais, e um amor um pouco mais seleto e racional por humanos. É lógico que eu fico triste ao ver crianças morrendo, desastres acontecendo... Mas ao mesmo tempo eu sinto como se o correto fosse a nossa aniquilação mesmo. Quando um organismo estranho que te afeta de forma negativa entra no teu corpo, o normal é por anticorpos em ação e destruir o espertinho. Acho que a nossa relação com o planeta Terra é exatamente igual.

Se eu tivesse que escolher entre a vida de um filhotinho qualquer de animal e um bebê, acho que escolheria o animal. E eu não tenho culpa de pensar assim, eu simplesmente penso. Todos os animais fazem parte de um ciclo, um equilíbrio onde cada um é necessário. O ser humano é o único dispensável e que ainda por cima prejudica. E mesmo que o bebê seja um serzinho "inocente", em potencial ele é uma pessoa má.

Enfim, eu me amo de certa forma. Me amo porque é impossível alguém não amar a si mesmo. Se eu olho pros dois lados antes de atravessar é a maior prova de que eu me importo comigo. Mas eu odeio as minhas características humanas. Uma coisa que eu entendi a pouco tempo é que eu tenho um puta interesse em ter poder. Não super poderes, muito menos qualquer tipo de poder que alguém esteja pensando... O problema é que eu sei que se eu tivesse poder não ia prestar. Quer dizer, pra mim ia prestar, porque eu ia acabar com todos os problemas do mundo, e dentro de todas as minhas leis e regras, eu estaria correta. Mas todos tem suas próprias definições de certo e errado, e mesmo sabendo que eu não devo ter poder, eu continuo buscando mesmo assim.

É isso que eu odeio. Essa forma estúpida na qual nós mesmos nos colocamos pra aprender coisas que ela não é capaz de suportar. Essa condição humana desgraçada, que me impede de ir até onde eu quero e principalmente, de fazer a coisa certa com as coisas que se tem.

terça-feira, 22 de março de 2011

Notas sobre o azul #2

Aspectos favoráveis: o azul assinala a entrada nos domínios mais profundos do espírito e uma das suas qualidades mais sutis é a aspiração. Essa cor faz parte do espectro frio e, por sua quietude e confiança, promove a devoção e a fé. O azul é uma cor popular associada ao dever, à beleza e à habilidade. A serenidade dessa coe traz consigo paz, confiança e sentimentos curativos agradavelmente relaxantes. Sua fluidez e força serena são traços atraentes, que provocam admiração por parte das outras pessoas.

Aspectos desfavoráveis: a natureza da cor azul é procurar e buscar sem cessar. Os aspectos comuns da vibração negativa dessa cor são dúvida e descrença, assim como a falta de habilidade. Essa cor é fantasiosa e estimula os devaneios, a tendência ao desleixo, a fatuidade e a desconfiança. Partindo do cansaço, da indolência e da apatia, o azul pode levar a um estado de melancolia, atraindo por fim uma sensação generalizada de inércia.

Gêmeos. Escorpião. Azul. Busca. Orion. Horus. Shiva.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Sinestesia

Não sei bem como começar isso, eu só queria fazer um post explicando algo que acontece comigo que na verdade eu pensei que acontecia com todo mundo. Enfim, desde sempre eu associo cores com números, dias da semana, formas geométricas, música, letras, palavras, meses, sensações, sons e perfumes. Música e dores tem diferentes formas e texturas também. Há pouco tempo atrás eu lembro de ter perguntado pro Phil que cores eram os dias da semana dele e ele ficou tipo: o quê?!?

Desde pequeninha o meu horário escolar era todo colorido. Cada dia da semana tinha sua respectiva cor e cada matéria também. Mas eu pensei que isso era normal, eu até lembro que todo natal eu vinha pra casa da minha vó e tinha aqueles calendários de mercado com os dias da semana coloridos. Eu pensava que a pessoa que fez aquele calendário enxergava as coisas daquela cor. Quando era era menor, não entendia o porque de eu perguntar pra alguma coleguinha "que cor é o número 7 pra ti?" e ela não saber me responder.

A pouco tempo meu namorado, meu pai e eu fomos ao Uruguai comprar perfumes. Só que eu ia direto naqueles cuja cor do líquido era rosa ou vermelha, porque é a cor do cheiro de perfume que eu gosto. Lembro que eu peguei um azul pra cheirar e fiquei puta da cara porque o perfume era azul e tinha cheiro de vermelho! Aquilo tava errado, a cor do perfume não correspondia ao cheiro dele.

Tudo o que eu sinto, até raiva, tudo tem cor. As vezes me perguntam o que eu to sentindo e eu respondo "não sei, é como se fosse um azul pequeninho aqui dentro". Eu li bastante hoje sobre sinestesia, só que eu só sinto isso com cores. Digo, eu relaciono coisas às cores, e não cores às coisas. Eu não ouço nenhum som vindo das cores, mas vejo cores vindo dos sons.

Não sei se isso tem alguma relação, mas eu nunca fui muito boa em matemática. E sempre tive consciência disso. Quando eu vou contar dinheiro pra passagem por exemplo, sempre dou pra alguém conferir, pra evitar de confundir o número com as cores. Vou tentar explicar de uma forma mais simples e tosca: os números 2, 7 e 10 pra mim são amarelos, na época da escola por exemplo, se tivesse um problema com números de cores parecidas, eu fazia todo o raciocínio, e quando tava chegando perto do final da conta me confundia e começava a somar as cores dos números, e não os números (?).

Hoje eu desci e perguntei pra minha vó que cor era segunda feira, ela disse que era tudo igual, que pra ela não tinha cor e meu pai disse a mesma coisa. O mais estranho é na que na comunidade sobre Sinestesia no orkut, a maioria das pessoas são geminianas ou de outro signo com ascendente em gêmeos, e desenham ou tocam algum instrumento musical. Bem, eu sou de gêmeos, apesar de não saber muito bem gosto de desenhar, não sei tocar nenhum instrumento (update 12/2014: atualmente toco violino) e também associo as músicas e determinados sons com cores e formas.

Links sobre o assunto:
http://www.mulherportuguesa.com/saude-a-bem-estar/artigos/1757-sinestesia-o-que-e
http://brunnaperetti.spaces.live.com/blog/cns!CDF8A4C03140B304!328.entry

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Tédio eterno

Nós podemos ser resultado de uma maquete de isopor criada por um deus, nós podemos ser fruto de uma explosão ou do acaso, podemos até ser microorganismos em um corpo como o nosso, em que destruímos o próprio hospedeiro. Podemos ser uma experiência extraterrestre, podemos ser qualquer coisa, desprovida de alma ou não.

E no paraíso, sem maldade, sem crimes, sem lutas, sem sonhos e objetivos... Decidiu-se fazer uma reunião para decidir o que fazer com o tempo eterno que os restava.

- Que tal se a gente criasse um planeta, onde cada um de nós teria suas lembranças apagadas, e começasse tudo do zero? Seria uma vida diferente, com novos sonhos, novas coisas a conquistar, com o mal pra combater, inteligência e objetivos a conquistar.

São as coisas ruins que nos fazem evoluir. A natureza faz seleção natural, eliminando os mais fracos para que só os fortes procriem. Nós aprendemos com erros. Se somos um país livre, se a escravidão foi abolida, se as mulheres conquistaram independência, se hoje temos liberdade de expressão, se o Egito teve paz... É porque muitos entregaram o próprio sangue e lutaram por isso.

Manifestações trazem revoluções, experiências ruins nos ensinam. O bem, o progresso e a evolução não existem sem o mal. Você só vai fazer uma melhoria depois que alguma coisa o incomodar. É impossível evoluir do melhor, para o melhor. O bem é tão dependente do mal que chega a complicar se tu parar pra pensar.

Aí você imagina, a gente vivendo com deus felizes para sempre. Sem nada a adquirir. Paraíso não existe, o que existe é evolução eterna, em diferentes formas, em diferentes "recipientes" e condições. Esse post foi só pra encerrar minha linha de pensamento em relação à esse assunto, ainda estava faltando concluir.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Mushrooms

Para muitos esse post pode parecer o cúmulo da esquizofrenia ou abuso de cogumelos, mas é o tipo de coisa que sempre passa em minha cabeça antes de dormir. Acho que não sou a única descontente com a maneira como as coisas simplesmente SÃO.

(Escrito em 07/01/2011).

Ontem após sair do banho me deparei com uma estria no quadril refletida no espelho e pensei, mas que merda! Vou ter que conviver com essa porcariazinha no meu corpo até o fim dos meus dias! Sabe, eu queria ser física, astrônoma, designer, bióloga, veterinária... Queria ter meu nome na história como uma grande contribuição para a medicina, ou uma grande descoberta qualquer. Mas aí a frustração toma conta, porque eu só tenho essa vida e não posso ser\fazer tudo isso.

Por acaso você já pensou como seria legal se você fosse dormir hoje como um homem, advogado, moreno... E amanhã acordasse uma pessoa completamente diferente em sexo e aparência?  Digo, porque o mundo foi ditado assim? Eu queria pelo menos passar um dia da minha vida como um animal diferente, só pra ver como é. Porque você tem que nascer com uma determinada forma física e escolher somente um rumo pra sua vida? Eu tenho muita coisa a adquirir e deixar ao mundo, mas sei que meus desejos não cabem nessa vida.

Acho que um desejo universal que todos compartilhamos é o de poder voar. Quem aqui não sonha quase toda noite que é capaz dessa façanha? Eu já fui desde os primórdios de uma grande explosão até a minha morte, em sonhos. E o que eu sinto em comum a todos eles, é o modo como me sinto livre, leve, volátil. Nessa espécie de sonho paralelo com a realidade, eu criei um mundo perfeito. Criei as ações e reações, minhas regras perfeitas.

No meu mundo, nunca ninguém sequer ouviu falar em cadeia alimentar. Pode-se pintar as nuvens e o céu da cor que quiser, assim como a água pode transformar-se em gelatina. Nenhuma pessoa nem animal precisa tirar proveito da morte do outro. Não precisamos de casa nem de abrigo, pois os fenômenos da natureza não nos fazem mal e não temos nenhuma nudez a esconder.

Se você correr em direção a um precipício, seria como um desenho animado infantil. A queda não existe. A gravidade não te impede de cintilar junto com as estrelas. Não há limitações, dores, divisões. Você pode ser o que quiser, a qualquer hora. Pode percorrer o mundo dançando na forma de vento, como também pode desfrutar do mais profundo das águas.

Outra coisa que não me conformo... Por que motivo a vida humana tem que ser tão frágil? Digo, porque todos os sentimentos, planos, ambições de uma pessoa, um médico, um cientista... Porque toda a vida de uma pessoa tem que ir embora por causa de uma simples falta de ar ou por entrar em contato com o fogo? Será mesmo que esse contato é mais forte do que toda a força vital de alguém? Pra mim não.

Já me disseram que eu penso demais. Imagino demais. Crio hipóteses e possibilidades demais. Concordo que isso me atrapalha as vezes, quando tenho que lidar com situações simples acabo as tornando muito mais complexas do que são realmente. Mas eu acho que todo mundo deveria tentar criar um mundo só pra si. Um mundo pra recorrer naquelas horas em que, o teu pai ou um familiar te desamparar. Quando as coisas derem errado, a melhor forma de encarar a realidade é inventá-la na sua cabeça.

Você queria ter nascido mulher? Seja uma mulher.
Queria ser um animal? Queria ter dinheiro? Queria que não existisse dinheiro?
Queria um namorado, uma família, um filho...? Você quer ser Deus?

ENTÃO SEJA.

O problema é que assim você começa a agir de acordo com idéias que você inventa e sente saudade de coisas que nunca aconteceram! Eu não me importaria de deixar essa vida, na forma humana. Pra mim a hora que deito na cama e fecho os olhos é a minha realidade, e não esse mundo podre em que vivemos. A gravidade te impede de conhecer outros planetas? Então olhe pra sua mente, te apresento um lugar onde ela não existe.

Eu não uso drogas.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Duas verdades

Unidade:

Se todos nós somos deuses e fomos feitos à imagem e semelhança dele, é bobagem ficar imaginando formas e características físicas como negro, loiro, etc. E é mais idiota ainda, práticas como racismo, pois você estaria discriminando uma parte de si mesmo. Ele é formado pelo dna de cada um, em unidade. Como todas as gotinhas de água formam um único e imenso oceano.

Deus é cada um de nós, branco, negro, homem e mulher. Com nossas características e particularidades, com todos os bens e males, nada mais do que uma grande energia universal.

Eternidade:

Não existe nada eterno. Eterno no sentido de que, nada permanece da mesma forma eternamente. Não existe sofrimento eterno, não existe essa história de que, depois da Terra, iremos viver com Deus pra sempre na forma espiritual.

Pra sempre em uma mesma forma não existe. Qual a graça de permanecer na inércia depois de alcançar um objetivo? Nossa vida não teria graça se fôssemos perfeitos, sem nada para aprender. Tudo é evolução. Depois daqui, mesmo após essa luta entre os céus e o inferno, ainda vamos estar incompletos. A única coisa eterna que existirá, será o fato de que sempre seremos incompletos. Com um universo imenso para desbravar, e com infinitas possibilidades de evolução.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Descobrindo o convívio familiar...

Esses cochichos pelos cantos da casa, trocas de assuntos repentinas e sorrisinhos entre os dentes são a razão pela qual eu não me mostro verdadeiramente aos meus próprios familiares... Gente, nem tudo é um problema, nem tudo é tão complicado da maneira que parece ser. Pra que tanta desconfiança e intriguinha de novela das oito? Vocês demonstram mais simpatia por uma vendedora de loja do que pelo próprio marido!

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Apócrifos | parte 1

Então, sendo como crianças entraremos no reino? - Quando fizerdes de dois um, e quando fizerdes a parte interior como a exterior, e a parte exterior como a interior e a parte superior como a inferior e a parte inferior como a superior, e fizerdes o masculino e o feminino em um só, de tal modo que o homem não seja homem e a mulher não seja mulher, quando fizerdes olhos em lugar de um olho e uma mão em lugar de uma mão e um pé em lugar de um pé e uma imagem em lugar de uma imagem, então entrareis no reino.

Descobriste realmente o princípio para procurardes o fim? Pois no lugar em que está o princípio também estará o fim. Feliz quem permanecer no começo, pois conhecerá o fim sem experimentar a morte.

Se vos perguntarem: Qual o sinal de vosso pai em vós? Respondei-lhes: é o movimento e o repouso.

Conhece o que está diante de tua face e o que está oculto te será desvelado. Não há coisa oculta que não será revelada.